DevOps – Como Avançar?

Introdução

Em meu último artigo “DevOps – Por onde Começar?”, falei sobre seis soft skills importantes para começar uma carreira DevOps. Caso não tenha visto e queira saber por onde começar nessa área, eu recomendo que inicie a leitura por ele.

Seguindo com a nossa jornada DevOps, no mercado de trabalho, cada vez mais competitivo, saiba que precisamos nos atualizar e  buscar evolução contínua sempre. Após aprender as soft skills e obter sucesso no início desta jornada, você deve estar se perguntando: “Como posso avançar?”

Então, trago aqui mais seis soft skills que irão te apoiar para avançar ainda mais sua carreira DevOps.

Metodologias

A metodologia DevOps é relativamente nova, porém resgata diversos conceitos e complementa ações utilizadas por anos na indústria. Metodologias como Lean, Scrum, XP trazem clareza e agregam o seu conhecimento em práticas, termos, cerimônias e conceitos usados amplamente no DevOps.

Curiosidade

Não deixe de conhecer também os 12 princípios do Manifesto Ágil.

Planejamento

Em suma, a grande maioria dos projetos de sucesso possuem um planejamento bem elaborado, e no DevOps não é diferente. São muitas as variáveis a serem consideradas em uma criação de software ou produto. Prazo de entrega, expectativas, pessoal necessário, horas de trabalho, tarefas a serem executadas, conhecimento e experiência do time, entre outras.

Com isso, conhecer ferramentas que ajudam a controlar e materializar o planejamento, dando visibilidade e clareza a todos envolvidos, são essenciais para o sucesso do projeto.

E algumas delas são:

Boards – Azure DevOps

Jira

Trello

GitHub

GitLab

Miro

Qualidade do Código

Qualidade do código é primordial no ciclo de desenvolvimento de software, pois é ela que dita se o seu produto terá um funcionamento adequado ou se terá os famosos “bugs”.

Nem sempre o executado sai como o planejado, porém alguns mecanismos e ferramentas nos possibilitam mitigar os erros gerados através de códigos mal escritos.

Análise de Código

Ferramentas de análise de qualidade de código são indispensáveis em uma boa esteira DevOps, analisando e verificando o código baseado nas melhores práticas de desenvolvimento de software.

As principais ferramentas de mercado são:

SonarCloud e SonarQube

Veracode

Checkmarx

Fortify

Codancy

Reutilização de Código

O desenvolvimento seguro e escalável já não é novidade para muitos, onde o código se torna reutilizável e traz grande velocidade no ciclo de vida dos softwares.

Nem todo código é escrito do zero. Dentro de uma organização, os desenvolvedores, em sua grande maioria, dependem de funções idênticas em seu código e reaproveitam linhas, facilitando o desenvolvimento. Então, por que não desenvolver artefatos que possam ser consumidos por outros desenvolvedores?

Conhecer a arquitetura e ferramentas de geração e armazenamento de artefatos nas organizações trará um poderoso soft skill para o DevOps.

As principais ferramentas são:

Artifacts – Azure DevOps

Nexus Repository

JFrog

Telemetria

Conhecer o seu ambiente e entender o seu comportamento é primordial para o sucesso do seu produto ou serviço no mercado.

Como dito pelo William Edwards, pai do Ciclo PDCA, “não se gerencia o que não se mede”. Sendo assim, você precisa monitorar o seu ambiente e a aplicação para obter métricas de utilização e comportamento. E realizar a telemetria do seu produto ou serviço trará a possibilidade de antever falhas e comportamentos inesperados, antes que eles aconteçam, e isso faz total sentido para que a sua operação não fique indisponível para o seu cliente.

William Edwards – 1900 à 1993

Ferramentas como Zabbix, Grafana, Prometheus, DataDog e Dynatrace possuem grande aderência no mercado e serão importantes aliadas.

Injeção de Falhas

Imagine você criar falhas em seu ambiente produtivo, justamente para ver e analisar qual o comportamento em cenários inesperados e inexplorados?

Parece loucura, eu sei, porém a denominada Teoria do Caos vem sendo adotada cada vez mais por grandes corporações, justamente para saber o quão suscetíveis a falhas eles podem estar. A injeção de falhas é promovida através de uma das culturas DevOps, no qual sugere a experimentação do ambiente e produção na evolução através do erro.

Curiosidade
A Netflix, é uma das pioneiras na execução da Teoria do Caos. Ela desenvolveu uma ferramenta denominada Chaos Monkey em 2011, que executa testes de resiliência de infraestrutura e vem sendo usada até hoje por inúmeras outras empresas

Conclusão

Metodologias, conceitos e ferramentas formam o DevOps como vemos hoje. E profissionais que entendem o objetivo e possuem o desejo pelo aprendizado e compartilhamento tendem a obter sucesso nessa jornada.

Mas o mercado está aberto a todos que anseiam colaborar com a profissão e a cultura DevOps. Então, dedique-se e plante trabalho, que com certeza você irá colher sucesso.

Referências

[Metodologias]

https://www.leanti.com.br/

https://www.scrum.org/

https://agilemanifesto.org/iso/ptbr/manifesto.html

[Telemetria]

https://www.eveo.com.br/blog/beneficios-cloud-alem-custos/

[Telemetria – William Edwards ]

https://pt.wikipedia.org/wiki/William_Edwards_Deming

[Injeção de Falhas]

https://principlesofchaos.org/

https://super.abril.com.br/mundo-estranho/o-que-e-a-teoria-do-caos/

[Chaos Monkey]

https://en.wikipedia.org/wiki/Chaos_engineering

https://github.com/Netflix/chaosmonkey

Post a Comment

* indicates required