Adelina, a charuteira


Você sabia que no Brasil dos anos 500, em uma época em que vários personagens históricos uniam forças para iniciar e fundamentar o movimento abolicionista, existia uma mulher negra conhecida como Adelina, a Charuteira, que desempenhou um importante papel na luta contra a escravidão? Ficou curioso(a)? Vamos te contar essa história.

Adelina nasceu no Maranhão por volta do século XIX e foi uma mulher escravizada, assim como sua mãe. Não se sabe ao certo qual era a sua função dentre os escravos, porém temos a informação que Adelina era filha de um rico senhor e, sendo assim, cresceu com a promessa de um dia ser libertada. Apesar das promessas, passou boa parte de sua vida sendo escrava do próprio pai.

Adelina sabia ler e escrever, habilidades incomuns e altamente desestimuladas, uma vez que a manutenção da escravidão dependia principalmente da submissão dos escravizados, que não apresentavam condições para questionar sua situação. A sua mãe criou todos os filhos do senhor e, no leito de morte, recebeu a promessa que ele libertaria a filha assim que ela completasse 17 anos.

Fonte da foto: https://www.xapuri.info/consciencia-negra/adelina-charuteira/

Com o passar dos anos, o pai de Adelina empobreceu. Ele passou a fabricar charutos e, a partir de então, Adelina tornou-se responsável pela venda, deslocando-se duas vezes por dia até a cidade, passando em cada um dos bares que encontrava pelo caminho. Além dos charutos, Adelina também vendia fumo aos transeuntes.

Nas vezes que passava pelo Largo do Carmo, era abordada por estudantes do Liceu, que passaram a ser clientes. Enquanto fazia suas vendas, Adelina assistia aos comícios abolicionistas promovidos pelos estudantes do colégio, tornando-se uma frequentadora assídua e parte do movimento.

O conhecimento que Adelina possuía da cidade e sua facilidade em transitar sem levantar suspeitas, uma vez que andava de rua em rua vendendo fumo, acabou por ser um trunfo para o movimento abolicionista. A charuteira observava e antecipava as ações da polícia, conhecia suas rotas e se certificava de avisar os integrantes do movimento caso notasse qualquer ameaça. Ela era responsável por enviar informações e estratégias dos escravistas à Associação Clube dos Mortos, que escondia escravos e promovia suas fugas.

Sua atuação como uma mulher negra que lutou contra a escravidão, porém, não é reconhecida por uma boa parcela da população brasileira. O seu nome foi invisibilizado na história nacional, assim como muitos outros, devido ao racismo e ao machismo daqueles que detêm a narrativa.

Linha do tempo da Adelina

1859

Nasce Adelina, filha bastarda de João da Luz e da escrava Josepha da Silva.

1875

Com o falecimento da mãe, Adelina começa a vender charutos por São Luís.

1875

Ao ouvir palestras de abolicionistas no Largo do Carmo, Adelina junta-se à causa

1875

Graças a sua atuação, consegue captar informações sobre o deslocamento policial para alertar os abolicionistas, colaborando com as fugas

1876

Adelina conquista sua alforria. Ela continua, no entanto, com a sua luta contra a escravidão e o racismo

Século XX

Morte em data desconhecida, e a sua história é esquecida por anos

O machismo, a misoginia e o preconceito racial esconderam por séculos a notável Adelina.

Como não há registros fotográficos de Adelina,  esta ilustração foi baseada em fotografias de escravas que viviam no Maranhão naquela época.

Fonte da foto:

https://prova.olimpiadadehistoria.com.br/prova/onhb11/publications/onhb11/excluidos_759.html?meta-data=0

“Adelina é um nome pouco conhecido, mas ela não deixa de ser notável por isso. Ela é mais uma mulher negra que lutou contra a escravidão e que teve seu nome invisibilizado na história por causa do sexismo e do racismo” – Dicionário das Mulheres do Brasil – de 1500 até a atualidade, biográfico e ilustrado)

Fontes:

http://mulheres-incriveis.blogspot.com/2014/03/adelina-tambem-conhecida-como-adelina.html

https://www.xapuri.info/consciencia-negra/adelina-charuteira/

 https://prova.olimpiadadehistoria.com.br/prova/onhb11/publications/onhb11/excluidos_759.html?meta-data=0

http://negrosgeniais.blogspot.com/2014/08/adelina-charuteira.html