Open Banking e a nuvem


Há um grande interesse em Open Banking. Uma pesquisa no Google mostra mais de 700 milhões de acessos, o que certamente indica que não há falta de opinião sobre o assunto. Embora o progresso em direção às transformações operacionais do Open Banking esteja mais lento do que muitos previram, a nossa percepção é de que esse atraso se deve em grande parte à magnitude da mudança exigida para migrar para esse tipo de ambiente, logo que a maioria das instituições são organizações extremamente complexas.

Qualquer projeto de mudança transformacional deve, portanto, garantir a reputação e a eficiência operacional do banco. A adoção do Open Banking exige novas ideias, novas tecnologias e o emprego de métodos ágeis. Mas, acima de tudo, requer planejamento cuidadoso e análise para garantir que a implantação das APIs – sejam abertas ou internas – esteja totalmente alinhada com as metas de negócios da instituição.

A GFT participa do debate sobre Open Banking desde o seu início. Acreditamos que essa é a iniciativa mais transformadora em décadas e que há vantagens competitivas para os early adopters. Por isso, temos ajudado vários clientes na aplicação das soluções técnicas que lhes permitem participar do Open Banking de maneira fácil e lucrativa.

Em nossa experiência, fica claro que a nuvem é uma pedra angular da estratégica plataforma de negócios digitais que os bancos estão começando a implementar. Essa solução requer enorme poder e flexibilidade de computação, que consideramos ser melhor alcançados em um ambiente em nuvem, por ser capaz de oferecer a escala, a elasticidade e a flexibilidade necessárias para mover o Open Banking da teoria para a prática. No Brasil, a normativa 4658 (políticas de segurança cibernética) abre a possibilidade para os bancos contratarem serviços de armazenamento de dados em nuvem, e pode ser finalmente o grande impulsionador para as instituições financeiras se abrirem para a adoção de nuvem pública.

Embora grande parte do debate sobre Open Banking – e sua regulamentação – tenha se concentrado em fatores de demanda, como a prestação de novos serviços que encantam os clientes, acreditamos que essa solução é, no mínimo, também sobre os fatores do lado da oferta. Na prática, é sobre transformação bancária e digitalização de ponta a ponta.

No Brasil, estamos acompanhando as resoluções e as discussões lançadas pelo Banco Central do Brasil, que abriu em novembro de 2019 sua proposta mais atual para o Open Banking. A ideia é que os grandes bancos sejam obrigados a participar do sistema, e consequentemente a compartilhar informações sobre produtos e serviços, numa primeira fase. Em uma jornada de quatro fases, a estratégia é que gradualmente os dados dos clientes e das operações sejam abertos, e finalmente os clientes possam aderir às propostas de serviços de forma padronizada.

Soma-se a isto o advento da Lei Geral da Proteção de Dados (LGPD), com entrada em vigor prevista para agosto de 2020, que determina sanções em caso de vazamentos e invasões de privacidade de dados dos clientes, criando assim uma real necessidade de adequação de todas as empresas sobre a forma como coleta e processa atualmente dados sensíveis de clientes, prospects e colaboradores, e temos um ambiente mais complexo ainda para a adoção do Open Banking.

Em nosso último artigo do Point of View, examinamos o Open Banking como um catalisador da transformação bancária e mostramos o papel central da tecnologia em nuvem para que isso aconteça. Mas, como parceiro avançado do Amazon Web Services (AWS), também temos o prazer de oferecer uma jornada acelerada para a nuvem usando o nosso framework de open API.

O framework de open API é o resultado de nossa estreita parceria com a AWS e é construída à luz de nossa experiência conjunta em tecnologia bancária e em nuvem. A consequência da nossa colaboração é uma estrutura prática que oferece Open Banking em semanas, e não meses, com os melhores padrões de segurança e governança de dados disponíveis. O Open Banking é mais uma jornada do que um destino, e o nosso framework de open API apresenta um caminho rápido para a transformação bancária.

Esperamos que você goste do nosso paper e se sinta motivado a discutir os seus planos de Open Banking conosco.