Conheça o propósito massivo transformador da GFT e seus 4 pilares: “queremos as melhores cabeças e os melhores corações, motivados e com capacidade de fazer a disrupção”


Para avançar exponencialmente e liderar a transformação digital no mercado financeiro, a GFT Brasil definiu o seguinte propósito massivo transformador: ajudar os nossos clientes a fazer a disrupção de seus negócios. Para colocá-lo em prática, a companhia conta com o apoio de 4 pilares recém-estabelecidos: Lean Agile Engineering Culture, Continuous and Scale Learning, Grow the IT Market e Diversity-Inclusion. 

Definidos estrategicamente, os pilares refletem a visão da empresa de como ajudar o mercado e a sociedade evoluírem em temas-chave para o país. Marco Santos, managing director da GFT Latam, explica os objetivos e como os pilares serão trabalhados ao longo do ano na companhia.

Como se deu o processo de escolha do propósito?

MARCO: Fiquei o ano de 2018 inteiro trabalhando no propósito massivo transformador da GFT, pensando naquilo que melhor traduziria os valores e propostas da nossa empresa e teria a força transformadora de mover estruturas, tanto interna quanto externamente, impactando a sociedade como um todo. O primeiro esboço do propósito tinha 5 linhas. Fui refinando aos poucos, tentando simplificar, mas sem perder a essência.

Fiz um curso na Singularity University, visando, entre outras coisas, entender como desenvolver um propósito, como combinar o negócio com a transformação social. Consegui assim posicionar a GFT, de forma enxuta, mas com um grande poder de comunicação, colocando toda a complexidade de nosso propósito em apenas uma sentença de poder.

Então a partir disso você começou a pensar nos pilares que suportariam o propósito??

MARCO: Poderíamos ter escolhido vários pilares. Porém, depois de muita análise, acreditamos que esses são os que melhor nos ajudarão em nosso propósito. Os quatro pilares, Lean Agile Engineering Culture, Continuous and Scale Learning, Grow the IT Market e Diversity-Inclusion, são voltados para mudanças internas, práticas dos nossos colaboradores e contribuição à sociedade.

Para conseguirmos promover a disrupção de nossos clientes, que ocorre de maneira ágil, precisamos seguir desenvolvendo e aperfeiçoando nossa Cultura de Engenharia Lean-Agile (Lean Agile Engineering Culture), entendendo as necessidades de nossos clientes e as necessidades dos consumidores e stakeholders.

Além disso, a disrupção promove grandes mudanças por meio de novas tecnologias, que por sinal chegam o tempo todo. Dessa maneira, a única maneira de se alcançar objetivos ao longo prazo é garantindo o aprendizado contínuo e escalado (Continuous and Scale Learning) para que as equipes estejam aptas a aplicar essas novas tecnologias em seus trabalhos. O futuro do trabalho está altamente relacionado à adoção de tecnologias exponenciais, portanto, o indivíduo precisará estar sempre se aperfeiçoando e aprendendo com diferentes pessoas, do estagiário ao presidente.


Confira neste vídeo um pouco mais sobre o Propósito da GFT Brasil.

“Em tudo que fazemos estamos com o mindset de buscarmos um objetivo maior, de promover a disrupção de nossos clientes”

E quais são os últimos dois pilares?

MARCO: Atualmente, o mercado de TI brasileiro tem mais ou menos 1 milhão de profissionais e existem milhares de vagas não preenchidas. A cada mês que passa, a transformação digital e a aplicação tecnológica exigem mais especialistas, o que acarreta no surgimento de mais posições, que não são supridas pela falta de profissionais capacitados. O aumento do mercado de TI brasileiro (Grow the IT Market) é um pilar que contribui para a sociedade, aumentando o emprego de alta renda e a riqueza do Brasil e permitindo que o país implemente a transformação digital em diversas áreas.

Recentemente, lançamos a GFT ACADEMY, nossa universidade corporativa que chegou para ajudar a desenvolver o mercado de TI brasileiro e que foi criada para provocar essa transformação exponencial de pensamento que tanto precisamos, fomentando experiências e conhecimento. Lancei também o Moonshot, o meu desafio pessoal de duplicar o mercado de TI no Brasil em 8 anos chegando a 2 milhões de profissionais. Para se ter uma ideia, esse adicional de novos profissionais de STEM (Science, Tech, Engineering, Maths) ajudaria o PIB brasileiro a crescer em aproximadamente R$240 bilhões ano.

Finalmente, na GFT acreditamos que para alcançar um grande propósito, é preciso fazer inclusão e promover a diversidade (Diversity-Inclusion), que vem de vários lugares: de jovens com ideias inovadoras a profissionais com vasta experiência que desejam se inserir novamente no mercado de trabalho, não importando religião, raça, necessidades especiais, orientação sexual e nacionalidade. Queremos as melhores cabeças e os melhores corações, motivados e com capacidade de fazer a disrupção! Queremos pessoas boas que se sintam acolhidas na GFT, e por isso investimos em nossos colaboradores (seja por meio de boas práticas de contratação, desenvolvimento e retenção de profissionais) e trabalhamos para que todos tenham igualdade de oportunidades em nossa empresa. Na semana passada, por exemplo, lançamos nosso Novo Plano de Benefícios, totalmente focado no aumento da qualidade de vida no trabalho e no bem-estar de nossos colaboradores, pois ouvimos seus feedbacks e queremos que eles se sintam motivados, valorizados e tenham mais meios para investir no desenvolvimento de suas carreiras,

De que forma esses pilares são trabalhados no dia a dia da empresa?

MARCO: Em nosso dia a dia estamos o tempo todo trabalhando esses pilares. Em tudo que fazemos estamos com o mindset de buscarmos um objetivo maior, de promover a disrupção de nossos clientes, sempre pensando em como aperfeiçoar as nossas ações cotidianas, nas mais diversas áreas. O principal objetivo é integrá-los na cultura da GFT, naturalizá-los em todas as nossas ações e iniciativas, sem que precisemos pensar ativamente neles.

Como está sendo a adaptação dos colaboradores aos pilares e ao propósito da GFT?

MARCO: Acho que a adaptação está sendo muito bacana, as pessoas estão entendendo o nosso propósito e os fundamentos dele, começando a transpirá-lo e aplicá-lo no dia a dia. Nosso processo de comunicação está sendo muito legal e tanto interno quanto externamente estamos caminhando muito bem.

Obrigada pela entrevista, Marco!