10º GFT User Group – Painel Lean-Agile


Para discutir sobre as melhores práticas na adoção do lean-agile, a GFT reuniu executivos de grandes players do mercado, como Bradesco, Livelo, Serasa Experian, Tokio Marine Seguradora e Banco Votorantim, na 10ª edição do GFT User Group Digital Transformation, ocorrido em São Paulo. Com mediação da Simone Pittner, head Lean-Agile Enterprise Operation da GFT, o painel falou sobre o aumento da produtividade, qualidade, engajamento e redução de custos com as práticas lean-agile e apresentou diferentes perspectivas de processos e desafios.

Implementar técnicas lean-agile traz bons resultados

Para os profissionais que participaram do painel, a qualidade do produto final para o consumidor precisa ter usabilidade e a retirada da burocracia dos processos faz com que as empresas registrem um ganho excepcional.

Um dos pontos fortes para realizar essa transição, segundo eles, é poder capacitar os colaboradores para as melhores entregas e com qualidade. Com o trabalho de polinização, por exemplo compartilhando entregas e compreendendo e melhorando a Curva de Aprendizado, a empresa consegue fazer um intercâmbio de experiências com toda a organização.

Os melhores resultados serão alcançados pelas companhias que pensarem desde a ideia até a entrega do produto sob a perspectiva lean-agile. Além disso, é necessário começar a trabalhar com indicadores para melhorar a lead time e o empenho da empresa na melhoria dos processos.  

Esses passos requerem um aprendizado contínuo e cada vez mais rápido para as empresas conseguirem avançar nos seus investimentos em inovação.

Desafios de implementar as técnicas lean-agile

Os principais desafios para a implementação das práticas lean-agile está na mudança de cultura, especialmente em companhias mais tradicionais, de acordo com os executivos. Um drive que tem ajudado nessa evolução é o time to marketing, com as empresas percebendo os movimentos dos concorrentes e dos novos players.

Os ganhos de produtividade acabam fortalecendo também o engajamento dos times. E, com as inceptions, as empresas também conseguem uma aproximação muito grande com a área de negócios. O resultado é tão positivo que teve casos que até as áreas de RH têm pedido inceptions por não conseguirem acompanhar os fluxos de inovação.

Todo esse mover de estruturas, com redesenho organizacional e novas práticas, acaba por engajar todas as áreas. Segundo os executivos, é uma mudança de cultura que vai transformando todos os processos até se tornar algo natural no dia a dia. Adicionalmente, quando a empresa traz o usuário para o seu lado, ela percebe como é algo transformador. Essa proximidade é uma das mais fortes que as companhias podem sentir.