‘Meu papel é agregar valor ao projeto’


Amanda Chaves é desenvolvedora Java na GFT Brasil há 4 anos, tendo iniciado sua carreira na empresa como uma STARTER, como nossos estagiários do programa START@GFT são conhecidos. Em nosso vídeo, ela fala sobre seus talentos e antitalentos. Nesta entrevista, iremos conhecê-la um pouco melhor…

Com o que você trabalha na GFT? O que o seu trabalho envolve?

Amanda: Sou desenvolvedora Java e meu trabalho é interpretar os requisitos de sistema e traduzi-los em linguagem de programação, identificar erros e fazer a manutenção desses sistemas. Meu papel na GFT é agregar valor ao projeto, atender às necessidades do cliente e na medida do possível exceder suas expectativas.

Conta para gente um pouco mais sobre sua experiência em tecnologias, projetos ou habilidades.

Amanda: Atualmente trabalho tanto no back-end, que é responsável pela parte ‘back-end’ do aplicativo, ou seja, a implementação das regras de negócios, como também no ‘front-end’, que é a interação direta com o fim usuário, por meio de sua tela.

Eu desenvolvo soluções usando a linguagem de programação Java, que é “orientada a objetos”. Conceitualmente, isso significa classificar, organizar e abstrair dados. A linguagem tem como pilares o encapsulamento como uma forma de evitar acesso direto a métodos e atributos, herança para reutilização de código (é uma boa prática que otimiza a produção do aplicativo no tempo e nas linhas de código), polimorfismo para que os mesmos atributos e objetos possam ser usados em objetos diferentes, mas com diferentes implementações lógicas e a abstração que retrata objetos “do mundo real” no código em classes e objetos.

Além da linguagem de programação Java, há outras tecnologias com as quais eu trabalhei no passado, como: Spring, JSP, JSF, JPA, Hibernate, Primefaces, HTML, CSS, além de ferramentas de suporte para uma metodologia ágil como o Trello e Jira.

Na GFT, já trabalhei em projetos para clientes de banco de varejo e seguradoras. Os projetos de seguros me interessam particularmente, já que eu já tinha experiência como desenvolvedora em uma corretora de seguros. Todo o conhecimento comercial que adquiri até o momento me ajuda a tomar decisões e entender as necessidades do cliente, além de minhas habilidades de programação pura.

Em nosso vídeo, você fala sobre seus talentos. Como o seu talento se aplica na GFT e em seu trabalho aqui?

Amanda: Acredito que fazer um trabalho completo e eficaz enquanto programadora, estar disposta a ajudar não apenas o meu time e fornecer sugestões de melhorias são coisas que agregam valor à GFT. Na GFT, somos flexíveis e capazes de fornecer expertise em muitas áreas.

Quais valores da GFT – caring, committed, courageous, collaborative and creative – melhor descrevem você e por quê?

Amanda: Eu acredito que collaborative me descreve melhor. Eu gosto de ajudar e compartilhar minhas experiências com minha equipe. Eu costumo interagir com um grande número de pessoas na GFT e estou sempre trocando ideias com meus colegas.

Obrigado pela entrevista, Amanda!


Quer saber mais sobre nossos talentos e antitalentos aqui na GFT?
Visite gft.com/readytogrow.