Todos se rendem ante à inteligência artificial e à internet das coisas


Ficou claro, no mais recente Mobile World Congress (MWC), realizado em Barcelona, na Espanha, que existem duas questões-chave para entender a revolução que muitos setores vivem, incluindo o financeiro, de forma muito especial. Estou falando de Inteligência Artificial (IA) e da Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), candidatos firmes a transformar não apenas serviços financeiros, mas toda a nossa realidade cotidiana. 

Podemos observar isso nos dias de hoje com alguns exemplos de aplicativos pioneiros que foram apresentados. Como a própria imprensa noticiou, o MWC 2018 focou em IA e Internet das Coisas, sem menosprezar o desenvolvimento do 5G, um facilitador da conectividade de objetos que permite a popularização de soluções tecnológicas.

Como mudarão nossas vidas quando as máquinas se comunicarem entre si, adotarem a linguagem dos humanos (e não vice-versa) ou, simplesmente, quando os robôs realizarem parte das tarefas que hoje são da nossa responsabilidade? O leque de oportunidades que se abre é imenso. O esperado é que soluções inovadoras de inteligência artificial marquem a nossa agenda nos próximos anos.

Sem dúvida, novos conceitos ou serviços de negócios serão fornecidos em setores muito diferentes, como mostrado no MWC. De carros capazes de compreender a informação de tráfego e detectar outros veículos, soluções para identificar sintomas e detecção precoce de doenças, pedidos de reconhecimento de imagens e objetos a dispositivos de tradução multilingue. Além de assistentes virtuais cada vez mais populares por interagirem com o cliente por voz, como o Aura (da Telefônica) ou o modelo em espanhol para o setor hoteleiro, criado pelo Google.

No campo dos serviços financeiros, também encontramos aplicativos baseados em IA para interagir com o cliente (chatbots) e para a automação de processos. Além disso, em combinação com outras inovações tecnológicas, as máquinas e produtos inteligentes poderão, em breve, gerenciar a sua própria criação de valor. Da mesma forma, sistemas cognitivos, que permitem a criação de ofertas personalizadas em tempo real, estão sendo desenvolvidos no que já foi chamado de banco cognitivo (Cognitive Banking), cujo substrato tecnológico é composto basicamente de tecnologias de Big Data, juntamente com a aplicação massiva de IA.

Um mundo conectado

Chegou o momento em que os usuários começam a interagir com as máquinas de uma maneira muito mais natural do que temos feito até agora. Através de fala ou gestos, podemos dar ordens aos nossos dispositivos que, além disso, também estarão interligados entre eles.

Graças à chegada do 5G, temos uma vitrine de novos serviços que facilitarão essa tecnologia. Diversas opções de carros inteligentes ou casas conectadas, passando por milhares de possibilidades para a criação de verdadeiras SmartCities… Um mundo de oportunidades se abre com 5G, possibilitando a Internet das Coisas, graças ao aumento da velocidade e a melhora da conectividade de uma infinidade de dispositivos simultaneamente.

Além da tecnologia, algo que ficou claro é que as alianças são o futuro. As parcerias estratégicas entre operadoras, fabricantes, desenvolvedores e startups são cada vez mais comuns para o desenvolvimento de soluções de sucesso, algo que a GFT vem apoiando há muitos anos, com exemplos tão claros quanto o do nosso LAB de inovação.

Devemos permanecer vigilantes para as possibilidades que surgem graças à IA e Internet das Coisas e, também, continuar a trabalhar em conjunto com outras empresas para desenvolver soluções que podem melhorar nossas finanças, nossa casa, nossos movimentos e, em geral, a nossa vida diária.