Você quer deixar de desenvolver e ser um Scrum Master?


Você é desenvolvedor com uma experiência técnica relevante, tem código com qualidade e as suas entregas são feitas conforme a solicitação, sabendo melhor muitas vezes do que o usuário o que ele realmente almeja.

Às vezes, no entanto, se depara, após perder noites de sono e dias de lazer, com situações adversas. Por exemplo: chega a notícia de que o colega ineficiente precisa de sua ajuda na última hora para que uma entrega brilhante aconteça.
Com essa rotina cansativa, é frequente o pensamento: se eu fosse chefe, tudo seria mais fácil. O problema aqui é de comando errôneo.

Será?
Vejamos a história do nascimento do Scrum e da agilidade.

 

Entre as décadas de 80 e 90, um framework de trabalho para times de desenvolvimento de software, visando trabalho sustentável e diminuição do fracasso das entregas de projetos digitais, começou a ser testado e obteve sucessos relevantes.

Os criadores o chamaram de SCRUM, uma jogada do Rugby que evidencia o esforço em conjunto de pessoas orientadas a uma meta.
Após a publicação do manifesto ágil (manifestoagil.com.br), em 2001, houve destaque nesse formato de trabalho para times de desenvolvimento ágil.

Hoje, próximos dos 18 anos desta publicação, estamos falando em agilidade em escala, com grandes empresas investindo milhares de reais para melhorar a qualidade de seus softwares desenvolvidos, produtividade, cadência de entregas e, consequentemente, o seu “time-to-market”.

Existem diversas outras maneiras de uma equipe trabalhar em agilidade. O Scrum, no entanto, teve forte aderência no Brasil e no mundo, com adoção em grandes corporações aumentando consideravelmente nos últimos anos.
Um time SCRUM tem três papéis de atuação definidos: Product Owner, Scrum Master e Dev Team. Mais detalhes podem ser vistos nos sites scrumalliance.org e scrum.org. *1

Entendendo todo esse contexto vamos considerar os cenários: você, que está imerso em um complexo ambiente de trabalho, onde cobranças e fracassos são constantes, recebe a notícia de que o corpo executivo determinou que a empresa passará por uma transformação ágil. Todos os desenvolvedores atuarão em times SCRUM.

Ou diferentemente, o seu time de trabalho propõe, das trincheiras – ou seja, sem apoio estratégico -, essa nova forma de trabalho, surgindo a necessidade de enquadrar pessoas nos novos papéis. Um trabalho intenso se inicia na tentativa de entender perfis e competências necessárias para cada um.

Lembremos, você, desenvolvedor herói desgastado pela rotina de desenvolvedor apagador de incêndio, tem, no mínimo, dois pontos de vistas sobre esses cenários: terá agora um time comprometido e o trabalho será mais leve, inspirando-se a melhorar seus skills técnicos; ou, imediatamente, imagina-se como Scrum Master do time. Já considerado pelos demais o melhor técnico, vê esta situação como ótima oportunidade de mostrar aos antigos gerentes de projetos como se lidera um time de software.

Com esses dois pontos de vista em mente, pergunto: você gosta de processos e pessoas mais do que gosta do universo de tecnologias, linguagens e máquinas?

Isso mesmo, escolher ser Scrum Master significa desenvolver competências do time de desenvolvimento, que deve ser idealmente cross-funcional, criando um ambiente propício para que alcancem a maturidade da auto organização, com microgestão do próprio trabalho, comprometimento com a entrega e o famoso “um por todos e todos por um”. Competências que devem direcioná-los a ser um time criativo, flexível e de alto desempenho.  

Um Scrum Master não comanda o time, o desenvolve. É um líder servidor ou gestor jardineiro que atua no ambiente para favorecer o desabrochar de competências. É o responsável por garantir que o Scrum seja compreendido e praticado.

O Scrum Master é um líder servidor para o time Scrum, ajudando aqueles fora do time a entender quais de suas interações são úteis e quais não são. Também provoca mudanças que aumentam a produtividade da equipe e maximizam o valor entregue. Ao trabalhar com P.Os. e outros SMs, deve focar em aumentar a eficácia da aplicação no desenvolvimento de produtos rentáveis e na prática do framework Scrum.

Você se vê neste papel? Você quer ser um Scrum Master?

 

*1 São duas empresas pois os dois idealizadores estão um em cada. A Scrum Alliance nos fornece as certificações “C” (CSM, CSPO, CSD, CSP, etc…)  a SCRUM.org nos fornece as certificações “P” (PSM, PSPO, PSD, etc..), embora estejam em empresas distintas – Ken Schwaber e Jeff Sutherland – se mantém unidos quanto ao design do framework e escrevem juntos o SCRUM GUIDE,  que teve recente atualização em novembro de 2017.