Mais coragem para iniciativas inovadoras


Sem a coragem e visão, Paris não teria sua Torre Eiffel, nem a humanidade teria chegado à Lua. Hoje, visionários estão trabalhando na maior rede WLAN do mundo ou em trens capazes de alcançar mais de 1.200km/h. Nós não precisamos apenas de ideias inovadoras, como principalmente, ter a coragem para encarar projetos visionários. Isso porque, o poder inspirador de tais projetos é capaz de nos mostrar o caminho e nos impelir a criar um futuro melhor.

View of Tokyo Skyline Tokyo, Japan.
Projetos visionários lideram o caminho e permitem o progresso e que o futuro seja moldado. A Tokyo-Tower no Japão é uma torre inspirada na Torre Eiffel.

   No início ridicularizada e, pior, taxada de monstruosidade inútil. Praticamente ninguém poderia imaginar que aquela construção de ferro, um dia, iria se tornar o emblema da França, e hoje, na era da digitalização, volta e meia ser iluminada com LEDs nas cores da bandeira francesa.

   A torre mais alta do mundo na época, sem dúvida, desempenhou um papel importante em fazer da França o país mais visitado do mundo, com mais de 80 milhões de turistas por ano interessados em ver a Torre Eiffel pelo mesmo uma vez, tornando Paris um grande destino de viagem.

   Projetos visionários que abrem caminhos

   A torre há muito tem sido mais do que apenas uma atração turística: na verdade, é o marco mais famoso no mundo. Mesmo durante os hediondos ataques terroristas à revista “Charlie Hebdo”, seu poder se mostrou mais uma vez quando, com apenas alguns traços do artista francês Jean Jullie, mesclado ao símbolo da paz, a releitura resultante disso se tornou uma insígnia de luto e um ícone de solidariedade para com as vítimas dos ataques. A imagem símbolo de apoio a Paris rapidamente se espalhou pelas mídias sociais em todo o mundo e, em seguida, desenvolveu uma vida própria.

   A torre é um beacon, um bastião, um farol – e não só desde que foi equipada com tecnologia de iluminação moderna. Única e muito visível – estas são as características que podem transformar construções e realizações inovadoras em geral em algo grande e verdadeiramente excepcional, projetando luz sobre novas oportunidades, inspirando e dando à cidade, região ou ao país, um grande impulso

   Não apenas nas principais cidades do mundo, como até mesmo em frente à nossa ‘própria porta’, projetos visionários são realizados todo o tempo. É preciso pensar grande e sonhar alto. Sem isso, a torre mais alta de Baden-Wuerttemberg não teria sido construída em Rottweil. A torre tem uma plataforma de observação considerada inigualável em toda a Alemanha. E é ali que, em 2017, elevadores de alta velocidade e o primeiro sistema de elevador sem cabos no mundo serão testados.

   Coragem para explorar novas dimensões

   Ser visionário é uma característica necessária para criar coisas novas, para permitir o progresso e possibilitar novas formas para moldar o futuro. Visões e muita coragem. Caso contrário, Neil Armstrong nunca teria sido capaz de pôr os pés no até então desconhecido solo poeirento da lua. Um pequeno passo, mas um gigantesco salto para a humanidade.

   O primeiro pouso na Lua foi mais do que um evento de mídia que emocionou público e audiência de 500 milhões de pessoas quase meio século atrás. Ele representa um marco na história da humanidade e nos impulsiona a continuar criando novas visões. Não importa o que os outros pensam. Como disse Barack Obama acerca da morte do pioneiro espacial há quatro anos, Armstrong e sua equipe mostraram em 1969 que, com ambição e engenho suficiente, tudo é possível.

A chega do homem à Lua catapultou a humanidade para novas dimensões.
A chega do homem à Lua catapultou a humanidade rumo a novas dimensões.

   O que seria da França sem a Torre Eiffel? Onde estaríamos sem o pouso do homem na Lua?

   O pouso na Lua catapultou a humanidade para novas dimensões. E isso não é algo que se alcança todos os dias. Mudar, melhorar o lugar em que vivemos, dar esse passo rumo ao futuro – nunca devemos parar de trabalhar nisso. O efeito dos beacons ou projetos ‘farol’ ou modelo são elementos cruciais neste contexto, por isso recebem tal alcunha. Especialmente quando nos referimos sobre proteção do ambiente, negócios, ciência e tecnologia, desenvolvimento sustentável, esportes, educação ou cultura, promoção da saúde ou integração, e não apenas considerando as realizações arquitetônicas.

   Projetos farol ou modelo devem também encorajar os outros a agir, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon, durante apresentação de iniciativas para a proteção do clima com o “Momentum of Change Award”, na última conferência climática da ONU em Paris.

   Nunca antes as mudanças ocorreram tão rapidamente como hoje em dia: transformação social, digitalização, globalização e mudanças climáticas. Os desafios são e estão cada vez mais complexos, exigindo ação conjunta e novas soluções. Portanto, é precisamente por isso que precisamos de novos projetos farol – com a iniciativa partindo de stakeholders centrais do mundo da política, dos negócios ou mesmo da ciência.

   Conceitos para a cidade do futuro

   O efeito de sinal muitas vezes se manifesta através de superlativos. Assim, até mesmo cabines telefônicas ou orelhões da idade pré-digital podem se tornar beacons quando convertidos em pontos de acesso WLAN pela subsidiária da Google, Sidewalk Labs, criando a maior e mais rápida rede WLAN urbana no mundo. Em Nova York, por exemplo, os usuários dentro de um raio de 50 metros podem logar gratuitamente e navegar pela Internet a velocidades de até um gigabit por segundo. Impressionante.

   Isto é a cidade do futuro, a vida em rede do futuro que não apenas o Google está trabalhando, mas também outras empresas e grupos a partir de uma ampla gama de indústrias. Pioneiros da inovação, tais como Elon Musk da Tesla Motors e SpaceX, por exemplo, estão sondando como vamos viajar no futuro próximo. O pioneiro da mobilidade vem impulsionando o desenvolvimento de E-cars, desenvolvendo uma ligação ferroviária rápida na Califórnia, com o sistema Hyperloop, capaz de atingir velocidades de até 700 milhas por hora (aprox. 1.225 km / h), e correndo para estabelecer o turismo para a lua como o novo destino de férias para turistas, com seu programa Space X.

   A riqueza de ideias e iniciativas inovadoras também estão vindo de empresas startup. O palco está fervilhando em Berlim, Paris, Londres, Tel Aviv e, claro, nos centros de inovação da América.

   É vital apoiar empresas que buscam objetivos ambiciosos, mas que ainda não contam com a base consolidada que grandes empresas têm. É essencial incentivar inovações e iniciativas e transformar as melhores ideias em projetos farol/ modelo, que servem de inspiração e direção e que atingem muitas pessoas. Esta foi precisamente a minha intenção quando eu fundei a plataforma de inovação CODE_n cinco anos atrás.

   Um festival de tecnologias e inovações – dedicado ao future

   Quando lançamos a ideia em 2011, quase ninguém imaginava as dimensões que o festival iria assumir. Afinal, o que começou como um evento de competição entre startups internacionais já evoluiu para um ecossistema global. Uma rede que reúne fundadores, ciência, negócios, política, arte e tecnologia

   Em 2012, a meta foi finalmente alcançada: durante a maior feira mundial de TI, a CeBIT, em Hanover, 50 talentosas empresas startup apresentaram as suas ideias e visões no hall exposições do CODE_n, com muitas destas jovens empresas sendo apresentadas ao público pela primeira vez, entre elas estava o nosso primeiro vencedor, o MyTaxi. Na época, uma empresa desconhecida, jovem – e hoje é um nome conhecido por muitos. Cultivamos essa visão com  vida, criando um farol. A cada ano, mais e mais visitantes visitaram nosso salão de exposição, e em 2015 recebemos mais de 75.000 visitantes.  Mas o trabalho não para: no ano passado, abrimos nosso primeiro campus de inovação em Stuttgart, complementado por uma rede on-line e acompanhado por inúmeros eventos menores.

   Sem essa visão, essa iniciativa não teria sido possível. Porém, mesmo um farol tem a crescer com a mudança dos tempos. Assim como a Torre Eiffel agora brilha com luzes LED coloridas, nós também levamos o nosso farol para um novo patamar em 2016: adeus CeBIT, olá Festival de Inovação. De 20 a 22 de setembro de 2016, o new.New Festival, que este ano ocorreu no Centro de Arte e Mídia (ZKM), em Karlsruhe, sob o lema “Revelando a Disrupção Digital”, apresentou uma série de novos elementos. Independente e vibrante, em uma instituição cultural única.

   E isso é exatamente o que o new.New Festival procura: inspiração e entusiasmo pelo novo. Nós precisamos mais desse tipo de beacons e iniciativas na Alemanha e no mundo, a fim de eliminar o medo de mudança das pessoas e inspirá-los a pensar sobre o nosso futuro. Um feriado na lua – tão longe, mas tão perto.

Lighthouse at Ocean   Não podemos esquecer que nós estamos vivendo a mudança de forma contínua em quase todos os aspectos de nossas vidas. E nós somos capazes de nos controlar o que acontece em seguida.

   Então, como nós queremos viver no futuro?

   Vamos construir beacons juntos.