START na GFT BRASIL


No mês de Agosto teve início a quarta edição do START, a iniciativa da GFT Brasil para formar e desenvolver jovens talentos da área de TI e que permitirá ao estudante universitário  passar pelas várias etapas do mundo corporativo.

Quando estamos no início de carreira, pode ser difícil entender a lógica de funcionamento do mercado de trabalho, então estagiar se torna uma forma prática e útil para jovens profissionais conhecerem em primeira mão o dia a dia de uma empresa. Mas o que aguarda esses jovens em início de carreira quando eles começam, por exemplo, nosso programa de estágio? A fim de obter uma visão mais profunda sobre essa questão, convidamos três STARTERS – como os participantes do programa são conhecidos na empresa – para falar um pouco sobre as suas experiências no programa da GFT.

monique_STARTERNome: Monique Spessoto Ribeiro

Curso: Ciência da Computação, UFSCAR

  • Como você ficou sabendo sobre o START ou sobre a GFT?

M – Fiquei sabendo através de conhecidos que já trabalhavam na GFT e também por folders distribuidos na Universidade em que estudo.

  • Que experiências foram particularmente agradáveis na GFT?

M – Toda a parte do treinamento foi realmente muito proveitosa, pois ele ajuda o estagiário a alinhar as expectativas e preocupações que ele possui ao ingressar em um primeiro trabalho, além de prepará-lo melhor quanto aos conhecimentos necessários, que são específicos da empresa.

  • Quais são seus deveres/ suas tarefas como estagiário?

M –  Em um primeiro momento, tive deveres em conjunto com outros STARTERS para que realizássemos um projeto com algumas tecnologias específicas, novamente direcionando e amadurecendo o nosso conhecimento das ferramentas que a empresa mais usa, para que mostrássemos nosso trabalho em equipe. Encerrada essa fase, tenho agora deveres dentro de uma equipe da GFT, onde trabalho com o desenvolvimento da UI para um de nossos clientes.

  • Que tarefas foram particularmente desafiadoras para você?

M – As tarefas desafiadoras são aquelas próprias do dia-a-dia, que nos força a estar sempre extendendo nosso conhecimento e buscando novas soluções e maneiras de fazer as coisas, como acontece (ou ao meu ver, deveria acontecer) na maioria dos ambientes de trabalho, sendo aquele desafio ‘bom’, que te faz crescer. Os outros desafios foram muito facilitados pela forma como as coisas funcionam no projeto START, o treinamento, o projeto interno com os outros STARTERS, e só então um projeto com cliente de fato, junto a uma equipe formada com as mais diversas pessoas e cargos, tudo isso contribui muito para que um(a) estagiário(a) como eu se adapte à empresa, aos colegas e a todo o ambiente de forma natural.

  • Como o START irá te ajudar profissionalmente daqui para frente?

M – Esse projeto já ajudou bastante minha carreira ao possibilitar a oportunidade do primeiro emprego, de modo que eu tenha agora um perfil profissional e conhecimento técnico moldados ao que o mercado procura. Além disso, com essa experiência que estou vivenciando, agora sei qual o plano de carreira eu pretendo seguir. E juntamente com o auxílio do meu Tutor, o START continuará me ajudando profissionalemente, a manter o foco dessas decisões e com a tomada de outras que virão.

jéssicaNome: Jéssica Rodrigues de Souza

Curso: Análise e Desenvolvimento de Sistemas, UNIP

  • Como você ficou sabendo sobre o START ou sobre a GFT?

J – Conheci a GFT e o programa START durante uma palestra sobre TI realizada na minha Universidade. À partir daquele momento tive um crescente desejo de pesquisar e fazer parte da equipe GFT.

  • Que experiências foram particularmente agradáveis na GFT?

J – Estou tendo inúmeros momentos agradáveis na GFT, desde a entrevista, onde todos foram muito atenciosos, até quando fui selecionada para fazer parte da equipe GFT, e agora principalmente que estou trabalhando na área que desejo me especializar. Dentro do programa de estágio, conto com o apoio e ajuda da minha tutora e da comissão do START, que acompanham o meu desenvolvimento pessoal e dos meus projetos. A descrição da vaga me chamou a atenção devido aos ideais da empresa, a possibilidade de ampliar meus conhecimentos, o plano de carreira e claro, para ganhar experiência na área. Outro ponto que considerei importante é o ambiente de trabalho da GFT, que é muito agradável, descontraído, com pessoas empenhadas e extremamente capacitadas, que estão sempre dispostas a ajudar.

  • Quais são seus deveres/ suas tarefas como estagiário?

J – Como atuo com Governança e PMO, auxilio minha gerente na elaboração do Status Interno, um documento que contém as principais informações dos Projetos Delivery Brasil, elaboramos Status Report dos projetos de alguns dos nossos clientes para monitorar o andamento, identificar pontos de melhorias e estratégias, controle mensal da Lista de Profissionais vs Projetos para gerenciar a alocação dos recursos. Enfim, estou aprendendo as melhores práticas de gerencimento de projetos.

  • Que tarefas foram particularmente desafiadoras para você?

J – Meu maior desafio como trainee de PMO e Governança é compreender os projetos sem ter necessariamente uma vivência na área técnica.

  • Como o START irá te ajudar profissionalmente daqui para frente?

J – Essa experiência como START irá aprimorar meus aprendizados sobre a área que quero me especializar, pois agora tenho uma visão ampla da área de TI como um todo, venho convivendo com inúmeros gerentes, líderes, analistas entre outros profissionais, aprendendo muito com eles e absorvendo novos conhecimentos todo dia.

renatoNome: Renato Martins Santos Costa

Curso: Ciência da Computação, UNIP

  • Como você ficou sabendo sobre o START ou sobre a GFT?

R –  Fiquei sabendo sobre o START e a GFT por meio de uma palestra que um dos membros da comissão START fez em minha faculdade, apresentando a empresa, o que ela faz e como é o programa de estágios e me interessei bastante, então resolvi tentar.

  • Que experiências foram particularmente agradáveis na GFT?

R – Trabalhar com projeto de estágio a​ntes de ser alocado em um projeto de cliente foi uma experiência bastante enriquecedora, aprendi bastante nesses dois processos, e poder trabalhar todo dia com profissionais compententes e sempre dispostos a te ajudar quando você precisa, por mais ocupados que eles estejam, é algo que enriquecedor e estimulante.

  • Quais são seus deveres/ suas tarefas como estagiário?

R – No projeto interno de estágio, eu e o outro STARTER tivemos que desenvolver uma página para automatizar um processo da GFT Brazil. Num segundo projeto do qual participei, tive que estudar um aplicativo que rodávamos localmente e levar a função dele para a web, depois disso, comecei a atuar um pouco mais no back-end do projeto em vez de ambas as frentes (front e back). E após de 6 meses eu fui logo efetivado e agora estou trabalhando em um projeto de um dos maiores clientes da GFT.

  • Que tarefas foram particularmente desafiadoras para você?

R – Todo o projeto de estágio foi desafiador, eu estava trabalhando com algo que não tinha muita familiaridade ainda, então além de pesquisar por conta própria (google), sempre pude tirar dúvidas e contar com ajuda dos profissionais daqui. Deu algum trabalho, mas foi legal e aprendi bastante, além de que eu gosto de desafios.

  • Como o START irá te ajudar profissionalmente daqui para frente?

R – O START foi minha porta de entrada para o mundo de TI e também para a GFT. Durante meu estágio aprendi muitas tecnologias novas e também adquiri habilidades práticas que vão me ajudar em minha carreira; eu quero continuar a crescer cada vez mais profissionalmente e desenvolver uma carreira aqui na empresa.