Big Data: benefícios com um longo caminho a percorrer


Duas semanas atrás, eu participei e fiz uma apresentação na conferência “Big Data & Analytics for Financial Services“, em Londres. Este evento de dois dias reuniu Bancos, distribuidores de produtos e prestadores de serviços como nós para discutir o estado atual do setor e previsões/ visão do que está por vir.

Big-Data-Analytics-for-Financial-Services

O que me surpreendeu foi a diferença entre a visão e a realidade. Enquanto vendedores de produtos falaram do grande potencial das tecnologias de Big Data e os Bancos destacavam evidentes casos de sua utilização, pouco foi dito sobre projetos concretos e histórias de sucesso. Não é uma crítica, mas uma clara constatação do estado de Big Data em serviços financeiros: está engatinhando.

HSBC foi a exceção; seu Diretor de dados nos deu uma amostra de alguns dos primeiros projetos que foram construídos em seu “data lake” (depósito de armazenamento de dados), que reúne dados díspares de toda a organização. Obviamente, Bancos menores tinham menos para mostrar e muitas companhias admitiram estarem ainda em fase experimental, realizando pequenos testes ou apenas ponderando as opções e os próximos passos.

A GFT também é uma exceção. Durante minha apresentação, tentei ser pragmático e falar sobre os projetos que temos feito nos últimos 24 meses e as lições que aprendemos. Essas dicas sobre como preparar uma infra-estrutura correta e um time de projeto adequado para garantir a qualidade dos dados e operational buy-in.

Os Bancos podem e até devem buscar ajuda fora de sua organização. Big data não é apenas um grande desafio tecnológico, é também um desafio funcional e organizacional. Parceiros podem ajudar a guiá-los ao longo do caminho, trazendo bons conselhos, experiência e melhores práticas.

É verdade que, independentemente do estágio do Banco – se adotaram rapidamente essa tecnologia, como o HSBC, ou se adotaram mais tarde, como muitos dos bancos menores – um ponto de vista objetivo pode ser extremamente útil nestes tempos desafiadores.

Este artigo foi publicado originalmente em www.finextra.com