Aumentando a capacidade de inovação: A inovação aberta no setor financeiro (II)


Múltiplos desafios para o setor financeiro

Em 1998, Bill Gates, o fundador da Microsoft, cunhou a frase “Banking is necessary, Banks are not”  (Banking é necessário, os bancos não), e isso é algo que está mais atual do que nunca. Neste momento, os bancos estão enfrentando uma série de desafios cruciais que podem mudar o setor financeiro para sempre. Atualmente, a tomada de consciência e a maior compreensão, por parte dos consumidores, sobre o que banking representa, estão passando por uma grande mudança.

A inovação aberta é uma tendência que busca conhecer a opinião dos funcionários ou clientes. É também uma nova oportunidade para o setor financeiro?
A inovação aberta proporciona vários benefícios que também podem ser utilizados no setor financeiro

A transformação é impulsionada principalmente pelas mudanças tecnológicas que caminham junto com a digitalização de nossas rotinas e nosso comportamento como consumidores.Além disso, a profunda e crescente perda de confiança, vivida pelo setor financeiro após a crise, deve ser considerada. Porem, as causas são ainda mais complexas, podemos destacar, por exemplo, as mudanças no comportamento do cliente, a falta de transparência, os escândalos dentro do próprio setor, aparentemente incontroláveis, e o fato de colocar interesses próprios diante daquilo que é útil ao usuário.

Agora, a tarefa é entender estas mudanças e reagir a elas de forma adequada, para garantir desse modo, um crescimento duradouro e produtivo no futuro.

Open Innovation (Inovação Aberta) como uma maneira de obter sucesso em inovação

Schumpeter já conhecia a força que a inovação traz para o desenvolvimento de uma empresa em tempos de mudança. Os grandes desafios estratégicos também exigem mudanças na gestão da inovação para os bancos. Uma maneira adequada de conseguir isso é usar a inovação aberta. A GFT analisou esse tema em um estudo recente.

Através da inovação aberta é possível criar, por exemplo, o valor agregado que os clientes esperam e precisam. As principais vantagens são o aumento da performance, da eficiência e da flexibilidade, entre outras. Mas, acima de tudo, a inovação aberta pode mostrar caminhos que vão além das etapas graduais de inovação. “Inovação disruptiva” é a palavra mágica. Isto é, inovações que transformam todo o modelo de negócio e / ou setores e, dessa forma, abrem novas perspectivas e novas vantagens competitivas.

  • Programas de negócios para uma colaboração aberta entre os recursos internos e externos;
  • Mercados / crowdsourcing para a inclusão de muitos participantes;
  • Mudanças nas “Innovation Task Forces” para aumentar a flexibilidade;
  • Foque em app/ API com o qual se pode transmitir externamente trabalhos de desenvolvimento através de interfaces definidas.

Na medida do possível, a inclusão de clientes (finais) no processo de inovação, bem como a fase de inserção (desde a geração ideia para a melhoria do produto final), pode ser diferente.

Vantagens de inovação aberta

A inovação aberta é cada vez mais vista como uma chave que abre um potencial de inovação, tanto para aquelas já existentes e não valorizadas, quanto para as novas ideias. As vantagens são muitas:

  • Graças à inclusão de recursos externos, as capacidades internas podem ser ampliadas de acordo com os interesses.
  • Permite superar as limitações existentes no que se refere ao conhecimento, talento, tecnologia ou experiência de negócio.
  • Permite melhorar a eficácia e eficiência dos processos de inovação (em alguns casos de forma significativa)
  • As opções adicionais são criadas no processo e no uso da inovação.
  • Novas ideias, tecnologias, experiências e competências podem ser usadas para um propósito específico.
  • É possível abrir novos mercados /  opções de mercados até então desconhecidos.

Não é de se espantar, portanto, que uma grande quantidade de empresas de diferentes setores já estão em dia com a inovação aberta.

É preciso uma nova maneira de pensar

Para superar com sucesso a era da digitalização é necessário prestar atenção no que as empresas que tiveram sucesso com este desenvolvimento fazem, como por exemplo a Apple ou a Google.Para alcançar o sucesso nestes mercados em constante mudança, os bancos devem parar (pelo menos em parte) de pensar e agir como os bancos. A inovação aberta é uma das abordagens adequadas para eles.

O próximo post vai discutir as diferentes abordagens sobre como alcançá-lo.

Você pode ler o post anterior: Como ter sucesso através da inovação: A inovação aberta no setor financeiro

Hansjörg Leichsenring é especialista do setor bancário, inovação, redes sociais, gestão de mudança, atendimento ao cliente e vendas, e trabalha como consultor de empresas e Interims-Manager em instituições financeiras. Em seu blog, “Bank Blog” (www.der-bank-blog.de), ele escreve sobre soluções para o setor financeiro. Ele também é um palestrante e moderador muito requisitado na Alemanha e no exterior.

  GFT Blue Paper “Open Innovation in the Financial Services Sector – Why and how to take action”. Baixe gratuitamente em nosso site gft.com