Conheça um dos finalistas do CODE_n: Precifica


Ricardo Ramos é co-fundador e CEO da Precifica (Brasil)
Ricardo Ramos é co-fundador e CEO da Precifica (Brasil)

A Precifica é uma das três startups brasileiras, entre as 50 finalistas do concurso CODE_n, que está presente em março na CeBIT. A empresa, fundada por Ricardo Ramos e Walter Sabini Junior, oferece um sistema inteligente de monitoramento de preços que utiliza Big Data para ajudar empresas de e-commerce a aumentar sua taxa de conversão e, ao mesmo tempo, preservar sua margem líquida. No mercado desde 2012, a Precifica já conta com 50 clientes e alcançou uma receita de aproximadamente $ 500.000 no ano passado.

Na entrevista de hoje, Ricardo Ramos nos conta um pouco mais sobre a Precifica e as expectativas da empresa para CODE_n.

O que diferencia a Precifica da concorrência?

Enquanto os nossos concorrentes se concentram no monitoramento de preços, nós focamos a precificação dinâmica -que começa a partir do contexto de monitoramento de preços.

Precifica já está integrada às plataformas de e-commerce e de aplicações de ERP (enterprise resource planning) mais utilizadas. A partir daí, podemos mudar os preços dos produtos em tempo real, aumentando assim a margem líquida e a taxa de conversão.

Como está o cenário para as startups no Brasil atualmente? Há incentivos do governo?

É um mercado muito novo e que está crescendo rapidamente, apesar de que o número de angel investors (investidores providenciais) ainda é muito baixo. O governo tem alguns projetos para ajudar startups, como a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

O fator mais importante é a aumento dos investidores e maturidade do empreendedor.

Quais são as suas expectativas para CODE_n e o futuro da Precifica?

Será uma grande oportunidade de networking com empresários de diferentes mercados. Este ano, estamos trabalhando duro para criar algoritmos capazes de prever os preços e tendências. Além disso, queremos introduzir esta nova tecnologia para o negócio de varejo e manufatura, já que não podemos pensar no futuro sem considerar também a precificação dinâmica.