Qual é o papel da agência bancária na era das operações bancárias via celular?


Relatório GFT: “Os smartphones substituirão as agências bancárias?”

As operações bancárias via celular estão se tornando cada vez mais populares e um número cada vez menor de transações bancárias é realizado em agências físicas. Os aparelhos de celular estão inseridos no cotidiano de bilhões de pessoas. O nosso último relatório, “Os smartphones substituirão as agências bancárias?“, fornece um panorama das tendências dos clientes e as expectativas quanto às operações bancárias via celular e o futuro das agências bancárias. O estudo também inclui exemplos de transformações bancárias inovadoras que já ocorreram pelo mundo.

Hoje em dia, a maioria dos bancos populares oferece algum tipo de serviço móvel, mesmo que seja apenas para a conferência de saldo e pagamento de contas. Mas isso não significa necessariamente que seja o fim das agências bancárias – longe disso. O futuro dos bancos está claramente nos domínios do atendimento omni-channel. Mesmo que faça sentido automatizar a oferta de alguns serviços pela rede de celular, outras transações são mais adequadas à oferta on-line, e outras são mais apropriadas se feitas pessoalmente. Cabe aos bancos o ônus de rever o papel da agência bancária e oferecer canais apropriados aos diversos modos pelos quais os clientes interagem com as suas instituições financeiras.

De acordo com a Jupiter Research, estima-se que um bilhão de pessoas estejam usando dispositivos móveis para serviços bancários até 2017 e esperando poder interagir com as suas instituições financeiras onde e quando quiserem. Qualquer banco incapaz de atender a essas expectativas provavelmente ficará esquecido, especialmente entre os clientes mais jovens (veja o relatório do Conselho Diretivo do Banco Central Americano, Consumidores e Serviços Financeiros Móveis 2013).

Boa parte das informações do relatório da GFT vêm de um estudo empírico realizado pela companhia em maio de 2013. Quinze perguntas foram formuladas a 894 indivíduos do Brasil, Alemanha, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos, com o objetivo de proporcionar uma visão sobre como as pessoas destes países fazem uso de suas agências bancárias e serviços de operações bancárias via celular, e como elas preveem o futuro dos bancos.

Aqui estão apenas alguns dos pontos relacionados aos bancos que foram levantados:

  • Os bancos precisam continuar oferecendo os canais tradicionais, ao mesmo tempo em que ampliam suas ofertas móveis
  • Os aplicativos de operações bancárias via celular precisam suportar múltiplos sistemas operacionais (iOS, Android e Windows, no mínimo)
  • A importância das agências bancárias não deve ser subestimada pela corrida pela mobilidade
  • Os bancos devem considerar segmentar os clientes que não necessitam de atendimento pessoal para um ambiente exclusivamente móvel
  • Os bancos devem estar cientes dos desafios quanto à tecnologia, segurança, relações pessoais e controle de risco nos serviços de operações bancárias via celular
  • Clientes de operações bancárias via celular são atraídos por serviços com valor agregado, experiências de consumo personalizadas e ferramentas digitais avançadas

Este é um momento crucial para a indústria de serviços financeiros, e as decisões quanto à entrega de serviço tomadas agora terão impacto nos lucros e na fidelidade dos seus clientes nas próximas décadas.

A GFT criou um Treinamento em Finanças Móveis para ajudar instituições financeiras a projetar e desenvolver serviços de operações bancárias via celular. Seguindo um procedimento de três passos, a GFT é capaz de construir ricos aplicativos móveis multiplataforma que ajudarão a mobilizar os negócios com serviços de valor agregado.

Faça o download do estudo gratuito aqui e prepare-se para a era do banco omni-channel.