Conheça mais detalhes do centro de competência Google Web Toolkit, da GFT, único no Brasil


A GFT inaugurou neste ano o primeiro centro de competência especializado na ferramenta Google Web Toolkit, que é um pacote de ferramentas que tem como objetivo acelerar o desenvolvimento de aplicações web para clientes. Dentro deste cenário, entrevistamos Constantino Cronemberger, Daniela Akagui e José Gustavo Rosa, que participaram do projeto.

Daniela, Constantino e José Gustavo, da GFT

Francisco Blas: Você pode nos explicar seu trabalho na GFT?

Daniela Akagui: Atualmente estou trabalhando no desenvolvimento de um projeto para uma empresa Privada do setor Bancário.  Estou na GFT a 11 meses trabalhando na arquitetura e desenvolvimento de novos projetos. A maioria dos projetos nos quais eu trabalhei foram utilizando a tecnologia GWT.  Antes de trabalhar na GFT eu trabalhei em São Paulo em outras empresas e resolvi voltar para o interior e encontrei na GFT qualidade de vida, por causa da localização e do ambiente de trabalho. Sou formada em Ciência da Computação e trabalho com java a 6 anos.

José Gustavo Rosa: Venho desenvolvendo  principalmente arquiteturas para novos projetos que empregam tecnologias distribuídas especialmente para  Web, além de participar dos grupos de tecnologia aplicada e do desenvolvimento de novos frameworks e ferramentas para agilizar o processo de desenvolvimento de novos projetos.

FB: O que é o GWT (Google Web Toolkit) ?

Constantino Cronemberger:  O Google Web Toolkit é um pacote de ferramentas para desenvolvimento e otimização de aplicações web. É usado em muitos produtos da Google como Google AdWords e Orkut. Trata-se de pacote de código aberto e gratuito. O grande diferencial em relação ao desenvolvimento web tradicional está na facilidade de se criar páginas com conteúdo interativo.

FB:  Como se iniciou o projeto do Centro de Competência GWT?

CC: A idéia do Centro de Competência nasceu da própria necessidade da empresa diante da demanda por projetos a serem desenvolvidos com esta tecnologia e pelo fato de termos identificado certa dificuldade em se encontrar profissionais qualificados no mercado. Tudo começou em 2010 quando iniciamos um dos primeiros projetos na empresa em GWT e dado o sucesso deste projeto nada mais óbvio do que repetir a fórmula para os próximos projetos.

JR: De forma complementar, ainda desenvolvemos frameworks e ferramentas que possibilitam ao centro de Competências engajar em novos projetos muito rapidamente, graças a ferramenta de geração de projetos, bem como todo o material de treinamento online desenvolvido pelo time.

 

FB: Quantas pessoas estão envolvidas no Centro de Competência GWT?

CC: Atualmente temos em torno de 40 pessoas trabalhando com o GWT diretamente.

 

FB: Que benefícios o novo centro traz para a GFT e seus clientes?

JR: Creio que o centro não apenas posiciona a GFT na liderança tecnológica do mercado como também solidifica tal posição e compromisso com o mercado em oferecer sempre inovação de forma segura e qualificada.

 

FB: Que tipo de projetos serão imediatamente beneficiados com o Centro de Competência?

JR: Em primeira instância projetos web no geral tais como : Portais, aplicações baseadas em intranet. Ultimamente temos sugerido ainda o uso de GWT para o desenvolvimento de portais com alta compatibilidade com Tablets, uma vez que o GWT é provisionado com funcionalidades inteligentes e altamente adaptáveis.

FB: De que maneira o GWT aumenta a produtividade dos programadores?

DA: O fato de não precisarmos gastar mais tanto tempo com a tela e com javascript e podermos ver os erros em tempo de compilação já fazem uma grande diferença. Podemos assim nos concentrar na camada de negócios do sistema.

Conseguimos notar que com o passar do tempo fica cada vez mais fácil desenvolver os projetos com o GWT, devido a arquitetura desaclopada, conseguimos reaproveitar telas inteiras, mudando somente as chamadas ao servidor. Além disso quando temos novos integrantes na equipe, fica mais fácil de passar o know-how.

 

O Country Managing Director da GFT no Brasil, Marco Santos, comentou também que o próximo passo no projeto é suportar o desenvolvimento de projetos complexos Web e atuar na busca de inovações como por exemplo: Dart, mobilidade, redes sociais, entre outras.

Constantino, Daniela e José Gustavo, obrigado pelas informações e esperamos ouvir novidades no futuro sobre o GWT e novos projetos.